Venezuela usa força excessiva e prisões para sufocar protestos, diz ONU
08/08/2017  //     //  Internacional  //  Comments are off

As forças de segurança venezuelanas têm utilizado força excessiva para reprimir os protestos, provocando a morte de dezenas de pessoas e prendendo arbitrariamente cerca de 5.000 indivíduos desde abril, incluindo 1.000 que permanecem detidos, disse nesta terça-feira o Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos.

A ONU pediu que o governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, controle as forças de segurança, investigue supostos abusos e liberte pessoas de prisões arbitrárias.

Na sexta-feira, a Venezuela inaugurou a Assembleia Constituinte que tem autoridade de reescrever a Constituição do país e dar amplos poderes ao governista Partido Socialista, desafiando protestos e a condenação de parte da comunidade internacional, que considera que o órgão infringe as liberdades democráticas.

“Nos preocupa que a situação na Venezuela esteja piorando e que essas violações aos direitos humanos não mostrem sinais de diminuição, de forma que estamos preocupados com a direção para a qual isso caminha”, disse a porta-voz do Alto Comissariado, Ravina Shamdasani, em entrevista coletiva em Genebra.

“A responsabilidade pelas violações aos direitos humanos que estamos denunciando recaem sobre o mais alto nível do governo”, acrescentou.

A destituição da procuradora-geral, Luisa Ortega, uma crítica do governo, foi o sinal de uma “crescente enfraquecimento de instituições democráticas e de instituições independentes”, disse a porta-voz, pedindo que o governo garanta sua segurança.

Nesta terça-feira, a suprema corte da Venezuela ordenou a prisão do prefeito de oposição Ramón Muchacho, do distrito de Chacao, local de intensos protestos anti-governo.

Em conclusões preliminares com base em 135 entrevistas realizadas remotamente e no Panamá, o Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos disse que investigou 124 mortes, das quais 46 foram atribuídas às forças de segurança e 27 a grupos armados pró-governo, enquanto a causa das outras não está clara.

Sobre o Autor:

Comments are closed.